SUPER BANNER PORTAL POTY
Governo

Com cargos, Centrão festeja a ‘boa política’ de Bolsonaro

Definitivamente, o governo Bolsonaro não é mais o mesmo: os palacianos já não falam em velha política. Também não é mais o mesmo o discurso do Centrão, grupo que reúne quase uma dezena de partidos no Congresso e tem pelo menos 200 deputados na Câmara

13/06/2020 20h46
Por: Alessandro Cardoso Alves

Definitivamente, o governo Bolsonaro não é mais o mesmo: os palacianos já não falam em velha política. Também não é mais o mesmo o discurso do Centrão, grupo que reúne quase uma dezena de partidos no Congresso e tem pelo menos 200 deputados na Câmara. O símbolo dessa mudança de discurso é Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados. Depois que viu seu amigo Fábio Farias nomeado para o recriado ministério das Comunicações, Maia foi taxativo, quase revelando o sorriso do coração: “Agora ele começa a fazer política”, disse em relação aos entendimentos do Centrão com o governo.

O discurso do Centrão é outro. Mas o grupo parece seguir o de sempre, dedicando-se ao que mais gosta (ou talvez ao que realmente sabe fazer): ser governo. A mudança de tom começou com a saída de Sérgio Moro, um nome que boa parte dos congressistas e praticamente todo o Centrão simplesmente não engolia. Tanto que as principais vozes do grupo saíram desqualificando o vídeo da reunião ministerial que mostraria a intenção do presidente de interferir na Polícia Federal.

Lideranças fundamentais do grupo, como o senador Ciro Nogueira, não pouparam gestos de deseja. E agora já faz “live” com ministros anunciando obras para o Piauí. Mas ainda faltava a voz de Rodrigo Maia. Não falta mais. O simples “agora ele começa a fazer política” pode ser traduzido como um “ah, agora ele fala a nossa língua”. E ficou implícito o “e nós falamos a língua dele”. Mas que fique claro: com o Centrão não se brinca. E o contentamento de agora não esgota a sede por mais espaço no governo.

E se as coisas complicarem para o grupo palaciano, aí é que a pedida aumenta. Essa é lógica do Centrão.
 

Fábio Farias tenta ser proativo na Comunicação

O novo ministro das Comunicações, Fábio Farias, só toma posse na próxima semana. Mas já mostra habilidade e rumo. Nos corredores de Brasília já se dá como quase fechada sua equipe à frente da pasta. E também alguns pontos do que deseja fazer. Pra começo, quer ser proativo em termos de comunicação, ajustando a linha atual muitos consideram muito reativa - ou seja, vai atrás dos fatos. O entorno do novo ministro avalia, por exemplo, que há setores do governo – como o Ministério da Economia – que tem o que falar (como o auxílio emergencial) mas não recebe o devido destaque. O governo dá e parece que não fez nada, avalia o grupo de Farias.

Antes de assumir, o novo governista já conversou com o ministro Paulo Guedes sobre uma nova comunicação para a área. Também quer cuidar da imagem do Brasil no exterior – e para isso pretende levar para o Ministério o atual assessor de assuntos internacionais do Planalto, Felipe Martins. Essa escolha revela muito da habilidade do novo ministro: Felipe é do núcleo duro do governo e muito próximo da família Bolsonaro. Tê-lo próximo é também uma forma de afago no clã.